A ideia de um casamento marcado por uma esposa “chata” e “resmungona” é tão comum que soa como um clichê, mas a característica, segundo um estudo conduzido pela Universidade de Michigan, pode ser benéfica para a saúde do parceiro.

Segundo o estudo, homens com esposas “irritantes” são mais saudáveis. Estar em um casamento do tipo “pode ​​atrasar o desenvolvimento do diabetes e promover um tratamento bem sucedido quando o parceiro adoece”.

Por que isso acontece? Porque as mulheres que repreendem regulam o comportamento de seus maridos em relação à saúde.

Para chegar à conclusão, os estudiosos analisaram os resultados de pesquisas com 1.228 casais ​​ao longo de cinco anos.

No início do levantamento, os voluntários tinham entre 57 e 85 anos, e 389 deles tinham diabetes no final da investigação.

Foi assim que eles analisaram o papel que a qualidade do relacionamento tinha no risco de contrair diabetes e encontraram algumas diferenças muito significativas, dependendo do gênero:

“A descoberta mais surpreendente foi que, para os homens, o aumento na característica supostamente negativa do casamento diminuiu o risco de desenvolver diabetes e aumentou as chances de tratar a doença assim que ela apareceu”, disse o especialista.

Diabetes requer controles constantes e as mulheres repreendem seus maridos a se submeter a eles, o que causou tensão no casal, mas melhorou a saúde dos homens.

No entanto, o mesmo não se aplica às mulheres. “Para as mulheres, um bom casamento estava ligado a um risco menor de ter diabetes cinco anos depois. Elas são mais sensíveis do que os homens à qualidade dos relacionamentos e têm maior probabilidade de experimentar uma melhora em sua saúde graças a uma relação de boa qualidade “, disse ele.

Os homens podem se queixar de esposas “irritantes”, mas são elas que carregam a “carga invisível” de ter que cuidar de tudo que acontece na casa. Até da saúde de seus parceiros.

Como podemos remediar isso? Educando as crianças para que elas encarem as responsabilidades como algo que deve ser compartilhado, e não como uma “obrigação” de apenas um dos pares.

Fonte: Vix